Redefinindo os prédios inteligentes: foco nas pessoas

Fonte: RTInsights 

As empresas começam a perceber que os edifícios inteligentes podem agregar mais valor na otimização do espaço e na produtividade dos funcionários do que simplesmente reduzir os custos de energia.

A maioria das discussões sobre edifícios inteligentes aborda o gerenciamento de instalações. Um edifício pode usar sistemas em tempo real para monitorar e gerenciar segurança, HVAC, iluminação e gerenciamento de energia. Outras áreas de aplicações de ponta incluem lobbies e elevadores inteligentes.

A pandemia aumentou a necessidade de contar com sistemas mais inteligentes e intuitivos. Os empregadores devem fornecer garantias de que seus trabalhadores estarão seguros. Eles precisam de soluções em tempo real que ajudem a monitorar e reforçar o distanciamento social de seus funcionários e a qualidade da saúde ambiental em cada sala.

Eles também precisam de sistemas de gerenciamento de visitantes que façam mais do que apenas registrar uma pessoa quando ela entra em uma instalação. Em muitos casos, os visitantes precisarão ser rastreados (por ex: uma rápida verificação de temperatura) e ter seu movimento ao longo do edifício rastreado para garantir que os quartos não estejam superlotados.

Uma abordagem mais inclusiva para edifícios inteligentes

Edifícios inteligentes tradicionalmente fornecem controle aprimorado sobre os aspectos físicos do gerenciamento seu funcionamento. Os sistemas em tempo real que gerenciam esses recursos contam com sensores integrados e elementos de sistemas IoT para capturar dados e derivar  suas análises baseadas em IA.

Agora, muito mais é necessário para atender às demandas do "novo normal", conforme as pessoas voltam ao escritório. Especificamente, o que é necessário é uma transição de sistemas de edifícios inteligentes legados, muitas vezes proprietários, para sistemas baseados em uma arquitetura aberta que permite que sistemas de edifícios inteligentes discretos trabalhem juntos de forma sinérgica.

A economia de custos ainda impulsiona a necessidade de sistemas de edifícios inteligentes. Mas agora, as empresas, gestores e proprietários de edifícios percebem que há mais valor na otimização do espaço e na produtividade dos funcionários do que simplesmente reduzir os custos de energia. Como tal, novos sistemas são necessários para:

  • Medir a ocupação em tempo real em todo o edifício: Se os níveis de densidade forem muito altos em qualquer sala ou área comum, o sistema deve ser capaz de iniciar um processo de reduzir a ocupação.
  • Monitorar até o nível do assento: Saber se ou quando alguém se sentou em uma estação de trabalho ou ocupou uma sala é necessário para coordenar a limpeza e desinfecção das superfícies.
  • Controlar a qualidade do ar: em vez de apenas monitorar as condições ambientais, os edifícios inteligentes devem reagir dinamicamente em tempo real e fazer ajustes. Se o número de pessoas em uma sala começar a aumentar, a ventilação deve também ser intensificada para garantir o fluxo de ar adequado.

    São esses tipos de ações que são necessárias no novo local de trabalho.

A integração de sistemas tão díspares é o futuro dos edifícios inteligentes. A tendência é semelhante ao que está acontecendo no espaço da cidade inteligente. Cidades inteligentes normalmente foram concebidas como entidades monolíticas onde os dados de sensores difusos são analisados ​​centralmente para muitos casos de uso. Esse conceito está mudando, pois a maioria das cidades inteligentes provavelmente será um conjunto de vários espaços inteligentes, incluindo semáforos inteligentes, lobbies inteligentes, rodovias inteligentes, serviços públicos inteligentes, gestão inteligente de resíduos e muito mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário!